quinta-feira, 30 de abril de 2009

Qual o tamanho ideal das vacas leiteiras?

Marcelo Pereira de Carvalho

Esta é uma pergunta cada vez mais freqüente entre pesquisadores, técnicos e produtores de leite. Historicamente, quem trabalha com gado especializado, especialmente gado holandês, vem verificando animais cada vez maiores em seus rebanhos. Isto é fruto dos programas de acasalamento e seleção genética, sempre visando animais de maior porte, acreditando-se que:

a) Animais maiores são mais atraentes para quem as observa
b) Animais maiores são mais fáceis para comercializar (melhor mercado)
c) Animais maiores consomem mais alimento, teoricamente podendo produzir mais leite
d) Animais com peso adulto maior podem, em tese, compensar crescimento inadequado enquanto jovem

Sendo assim, principalmente criadores que têm na comercialização de vacas e novilhas uma fonte de renda significativa, tem enfatizado a seleção baseada em animais de porte cada vez mais avantajado.

Porém, não há estudos indicando que vacas maiores apresentam de fato vantagens em comparação a animais de menor porte, desde que este menor porte não tenha sido ocasionado por deficiências de manejo e criação.

Um estudo pioneiro realizado pela Universidade de Minnesota (EUA) avaliou a evolução de um rebanho experimental uniforme, que foi separado em dois lotes homogêneos em 1966 e, desde então, um dos grupos passou a ser inseminado com touros de grande porte, ao passo que o outro foi inseminado com touros de pequeno porte. A cada geração, as filhas de cada grupo foram inseminadas com a mesma linha genética anteriormente definida. Nos demais itens de manejo, os dois grupos receberam os mesmos tratamentos nos últimos 34 anos. Neste trabalho, sempre foram escolhidos touros localizados entre os 50% melhores para PTA para produção de leite (este critério foi alterado nos anos 1990 para a produção de proteína).

Em relação ao peso corporal, a seleção foi baseada em PTA para estatura, profundidade corporal e força, utilizando os seguintes pesos: estatura (0,50), profundidade (0,25) e força (0,25). Os três touros mais extremos para estas características, de acordo com os pesos acima, eram selecionados uma vez ao ano, desde que tivessem pelo menos 80% de repetibilidade. Na avaliação que se segue, foram incluídas vacas nascidas entre janeiro de 1983 e novembro de 1994. Todas as vacas e seus bezerros foram pesados imediatamente após o nascimento e a altura na cernelha foi medida cerca de um mês após o parto. A tabela 1 mostra a média das duas linhas genéticas utilizadas para peso vivo e altura na cernelha, ambas estatisticamente significativas.

Tabela 1. Peso vivo médio e altura na cernelha

Nota-se, na tabela 1, que mesmo o lote considerado de vacas pequenas era de porte considerável, embora bem menor do que o lote de vacas grandes. Além disto, a diferença crescia com o número de lactação, ou seja, as maiores ficavam ainda maiores com o tempo.

Um fato interessante é que a seleção forçada para animais de porte pequeno, em 30 anos seguidos, não resultou em animais necessariamente pequenos, mas sim de bom tamanho corporal. Outro fato é que o tamanho das vacas desde lote se manteve constante ao longo do estudo, ao passo que as vacas grandes verificaram grande aumento na estatura corporal.

Isto significa que não há na prática muitos genes disponíveis para a produção de animais realmente "pequenos", desde que as novas recomendações para a vaca holandesa ideal ("true type") foram redefinidas em 1977, enfatizando maior peso e estatura. Pode-se inferir, portanto, que as vacas da linhagem pequena representam o peso vivo dos animais considerados ideais até 1977, a partir de recomendações que datam de 1922.

Os dados de produção de leite, proteína e gordura não diferiram entre os dois grupos, de certa forma já derrubando o argumento de que vacas maiores produzem mais. A produção de leite para 305 dias foi, em média, 8513 kg para a primeira lactação, 9699 kg para a segunda lactação e 9820 kg para a terceira lactação.

Porém, a receita menos o custo de alimentação foi maior para o lote de animais menores, indicando maior eficiência na conversão de alimento em leite por causa de menores custos de manutenção em função do menor tamanho corporal.

Não houve diferença em relação à facilidade de parto entre as 2 linhagens, embora tenha havido diferenças no peso do bezerro: vacas menores pariram animais com 2,50 kg a menos em comparação às vacas maiores. Esta diferença de cerca de 6% foi bem menor do que os 10 a 15% de diferença no peso dos animais adultos, não sendo assim um parâmetro importante de diferenciação.

O número de inseminações foi maior para o lote de vacas de porte mais avantajado, principalmente na primeira lactação, quando as vacas menores apresentaram 1,8 serviços por concepção, ao passo que as maiores apresentaram 2,1 serviços por concepção.

Por fim, as vacas menores duraram mais do que as maiores. A vida produtiva foi calculada da mesma forma que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) calcula a Vida Produtiva. Os dias em lactação das lactações totais de cada vaca foram somados, considerando porém um máximo de 305 dias para cada lactação e até 84 meses (7 anos) de idade. A tabela 2 traz os valores em dias de vida produtiva.

Tabela 2. Vida produtiva média dos 2 grupos

A diferença de 88,5 dias se traduz em 14% de vantagem para as vacas menores. Desta forma, vacas menores vivem mais, são mais eficientes na produção e na reprodução.

Comentário MilkPoint: os produtores não devem buscar compensar suas deficiências de manejo e criação com animais maiores. A seleção para vacas consistentemente maiores tem se mostrado menos econômica do que a seleção para animais de porte mediano. Ao considerarmos a nossa realidade, com parte da produção sendo obtida a pasto, em condições de clima e topografia nem sempre favoráveis à locomoção, os resultados deste trabalho podem ganhar ainda mais força.

Com base nestas evidências, a partir de agosto de 2000, o USDA incluiu um índice de peso negativo, embora modesto, para tamanho corporal.

fonte: Hoard’s Dairyman, 10 setembro 2000

Nenhum comentário: